Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
MP pode beneficiar varejo e confecções 

A Medida Provisória da Liberdade Econômica, que foi aprovada na última quarta-feira (14) na Câmara dos Deputados, traz dispositivos que podem beneficiar especialmente pequenas empresas, com destaque para o comércio varejista e confecções. Setores que têm destaque em Goiás. O texto prevê, por exemplo, que negócios de baixo risco não precisam de alvará para começar a funcionar e libera trabalho aos domingos.

A proposta tranca a pauta do Plenário do Senado nesta semana. Aprovada como Projeto de Lei de Conversão (PLV), ela tem validade até o próximo dia 27 de agosto e é o primeiro item a ser discutido amanhã. Também apelidada de minirreforma trabalhista, porque incorporou mudanças relativas ao direito trabalhista, gera controvérsias e divide parlamentares. De um lado alguns exaltam a flexibilização do dia a dia para companhias privadas, já outros apontam perda de direitos.

Considerada conveniente por representantes do setor produtivo, ao passar pela Câmara alguns pontos da MP ficaram de fora. A intenção do governo federal é de voltar a incluir parte deles em novo projeto. Mas mesmo antes disso, há setores, como o varejista, que comemoram os possíveis impactos.

Poder abrir aos domingos e conforme a necessidade de cada comércio é uma das vantagens, segundo o presidente da Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio), Marcelo Baiocchi. “É uma tranquilidade para o comércio ter mais tempo para faturar, até porque a maioria perdeu vendas por conta da economia desaquecida”, diz.

A retirada da necessidade de alvará para atividades de baixo risco e as flexibilizações trabalhistas, para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Valente Pimentel, são pequenos somatórios que reduzem burocracia e gastos. Ele ressalta que pequenas oficinas de costura são exemplos de negócios que terão mais liberdade.

Goiás possui 3.047 de confecção e 385 empresas têxteis, segundo a Abit, e como outros locais que concentram a atividade com pequenos empreendedores pode sentir reflexo favorável. O presidente da Federação das Indústrias de Goiás (Fieg), Sandro Mabel, acredita que prestadores de serviço para a indústria também podem ter um aquecimento na atividade.

Para o curto e médio prazo, pontua que até legalização de negócios pode ser incentivada. “Vai ajudar no crescimento do ambiente de negócios, com mais negócios se fatura mais.”

 

19/08/2019 - O Popular  
 

Maioria das vagas de emprego criadas em 2019 paga só até 2 salários mínimos
19/09/2019  - O Popular
Governo quer tirar da Constituição reajuste do salário mínimo pela inflação
17/09/2019  - Estado de São Paulo
'Acho que Bolsonaro não termina o governo', diz Ciro Gomes
17/09/2019  - Estado de São Paulo
Justiça do Trabalho vai ter R$ 1 bilhão a menos em 2020
16/09/2019
Porcentual de famílias brasileiras com dívidas é o maior desde julho de 2013
16/09/2019  - Estado de São Paulo
Quase 10 milhões de pessoas usarão dinheiro do FGTS para pagar dívidas
13/09/2019  - O Popular
Vendas do comércio goiano ficam estáveis em julho
12/09/2019  - O Popular
Venda de carros novos tem retomada em Goiás
10/09/2019  - O Popular
Governo quer quebrar monopólio da Caixa no FGTS e mudar Minha Casa
10/09/2019  - Estado de São Paulo
Caoa e Ford selam acordo para manter empregos e produção
05/09/2019  - Estado de São Paulo
 
 
 
 
SECI - Sind dos Empregados no Comércio e nas Cooperativas em Geral de Itumbiara
Rua Olívia Fagundes Garcia, 6, Bairro Paranaíba - CEP 75503-040 - Itumbiara - GO
Telefones: (64) 3431-5488