Quem Somos | Benefícios | Departamentos | Convenção Coletiva | Associe-se | Fale Conosco
 
 
» Notícias
 
 
 
Maioria das vagas de emprego criadas em 2019 paga só até 2 salários mínimos 

Relatório do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) mostra que a maioria das vagas com carteira assinadas criadas de 2017 a 2019 possui remuneração de até 2 salários mínimos (R$ 1.996). Nos demais níveis salariais, o número de demissões é maior que o total de admissões.

As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (18) em carta conjunta do instituto. 

Nos últimos anos (2015 a 2019), a faixa salarial que teve resultado positivo no saldo de empregos foi a dos trabalhadores que recebem 1 salário mínimo. A partir de 2017, o país voltou a criar vagas com remuneração entre 1 e 2 salários mínimos. No entanto em proporções mais modestas.

Eis algumas considerações feitas no relatório:

- Vagas criadas – os dados do Caged mostraram que, no acumulado de 12 meses até julho de 2019, a economia brasileira havia criado 521,5 mil empregos formais. O Ipea afirma que o país apresenta agora maior dinamismo;

- Tempo de serviço – quanto maior o tempo de empresa, menores as chances de o trabalhador vir a ser demitido. E vice-versa. Segundo o estudo, quase metade das demissões efetuadas na indústria, no comércio e nos serviços ao longo dos últimos 12 meses foi de funcionários que estavam há menos de 1 ano na empresa. Na construção civil, esse percentual chega a 62%. O grupo menos atingido pelas demissões no período foi justamente o dos trabalhadores que possuíam 5 ou mais anos de permanência no emprego;

- Rendimento – “Se, por um lado, a ocupação vem reagindo de forma mais intensa, por outro, os rendimentos médios mostram um comportamento menos favorável, marcado por uma leve retração de 0,2%, na comparação interanual, no 2ª trimestre de 2019″, diz o estudo;

- Maiores salários – na média de 2019, os trabalhadores do Distrito Federal são os que apresentam maior nível salarial, com rendimentos médios reais superiores a R$ 4.000. Os menores salários são observados no Maranhão (R$ 1.385), no Piauí (R$ 1.502) e no Ceará (R$ 1.598);

- Desigualdade – o avanço da informalidade no mercado de trabalho fez crescer a desigualdade de renda no país. O índice de Gini da renda domiciliar do trabalho subiu cerca de 0,514 no 4º trimestre de 2014 para 0,533 no mesmo trimestre de 2018. Quanto mais próximo de 1, maior é a desigualdade;

“Esse aumento do Gini se deve à retomada da ampliação da desigualdade entre os extremos da renda”, afirmou o Ipea.

 

19/09/2019 - O Popular  
 

Caixa abrirá no sábado para pagar FGTS a não correntistas
17/10/2019  - O Estado de São Paulo
1° Feirão do Emprego em Aparecida de Goiânia tem fila de dois quarteirões
15/10/2019  - O Popular
11% dos trabalhadores que cursaram faculdade ganham até 1 salário mínimo
14/10/2019
Caixa rouba R$ 7 bilhões por ano do trabalhador com taxa do FGTS, diz Maia
14/10/2019  - O Estado de São Paulo
GOVERNO QUER R$ 20 BI COM IMPOSTO SOBRE FÉRIAS, 13º E HORAS EXTRAS EM ACORDOS
03/10/2019  - Folha de São Paulo
Lei muda regras para concessão de incentivos fiscais em Goiás
02/10/2019  - O Popular
Natal deve gerar mais de 103 mil empregos temporários
30/09/2019  - Terra
Bancos vão ter no máximo 30 dias para fechar uma conta a pedido do cliente, decide governo
27/09/2019  - Estado de São Paulo
MP da Liberdade Econômica agora é lei
23/09/2019  - Agência Senado
Maioria das vagas de emprego criadas em 2019 paga só até 2 salários mínimos
19/09/2019  - O Popular
 
 
 
 
SECI - Sind dos Empregados no Comércio e nas Cooperativas em Geral de Itumbiara
Rua Olívia Fagundes Garcia, 6, Bairro Paranaíba - CEP 75503-040 - Itumbiara - GO
Telefones: (64) 3431-5488